Sábado, 4 de Setembro de 2010

Penúltima canção

Às vezes bem deixo andar o Tempo

mas ele não sai do lugar.

Fica a girar nas linhas da mão,

à espera de acreditar.

 

Às vezes o Tempo é vazio,

espreita e aguarda mas nunca se deita,

é uma guitarra sem a sua janela,

estrela apagada em lugar de uma vela.

 

Se pudesse olhar para ontem e ser amanhã

veria os teus dedos em mim.

 

Se pudesse acordar de olhos fechados

para tudo o que teve fim.

 

Às vezes anda demais, anda depressa

o Tempo que faz a sua promessa,

leva o teu nome com ele a fugir

corre e corre sem nunca sorrir.

 

Às vezes o Tempo devia calar-se

em silêncio estender o seu cobertor.

O Sol sobre a cama e tu em pijama

e eu entretido com o teu sabor.

 

publicado por João Villalobos às 18:18

link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

.mais sobre nós

.pesquisar

 

.Setembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Penúltima canção

. Cena de ciúmes

. Naquele tempo

. Nada e o mundo

. Na varanda das noites

. O seguro

. Aos domingos

. Onde os pássaros mordem

. Uma coisa estúpida

. London distance call

.arquivos

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Maio 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds