Sexta-feira, 6 de Novembro de 2009

Anatomia da insónia

 

 

Rasteja o rumor da cidade

Pela casa adormecida.

Sinto pequenos dentes

A escavarem a noite

minando as suas muralhas

de pedra envelhecida.

 

Movo em vão o meu corpo

Na bruma doente, humedecida.

Viro-me de novo, lentamente

dentro de voláteis pensamentos

que querem deslizar no tempo

da madrugada vencida.

 

 

Já ouço os curtos passos

Na hora amanhecida.

São os outros infelizes

Que tal como eu faço

Esperam o sono docilmente

Como se esperassem a própria vida

 

tags:
publicado por Luís Naves às 09:37

link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Luz Branca a 12 de Novembro de 2009 às 16:44
Gostei desta insónia
De Luís Naves a 13 de Novembro de 2009 às 13:12
agradeço a sua leitura

Comentar post

.mais sobre nós

.pesquisar

 

.Setembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Penúltima canção

. Cena de ciúmes

. Naquele tempo

. Nada e o mundo

. Na varanda das noites

. O seguro

. Aos domingos

. Onde os pássaros mordem

. Uma coisa estúpida

. London distance call

.arquivos

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Maio 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds